quinta-feira, 7 de abril de 2016

falando com as paredes

   A noite passada eu sonhei que alguém me amava.

   Sono pra mim é uma coisa complicada. Sempre foi. Sempre vi as pessoas virando e começando a roncar em 5 minutos, enquanto eu rolo na cama por horas, perdendo a paciência e a sanidade. Antigamente me diziam que eu não conseguia dormir porque não fazia nada, e assim sendo, não estava cansada. Eu acatei isso por muitos anos... mas hoje vejo que não, pois atualmente tenho um emprego que me cansa fisica e mentalmente. Quando chega umas sete da noite eu já estou morrendo de cansaço, como se eu fosse partir ao meio. Mas mesmo que eu deite cedo, só consigo dormir após horas, o cérebro ligado no 220.
   Tenho tentado não deixar o celular com o wifi ligado, pois apesar dos meus "amigos" me ignorarem por semanas, se alguém me manda mensagem 2 horas da manhã, justamente quando meu cérebro começa a desacelerar, eu fico elétrica novamente e corro para responder. Mesmo com o wifi desligado tenho dificuldade. Mesmo com calmantes tenho dificuldade.
   A pior parte é que eu sempre recorri ao sono como fuga da vida. Eu gosto de ficar semi morta por horas, quanto mais melhor: o sono como negação de vida.
   Mas nem isso posso ter. Acordo diversas vezes, qualquer barulho me despertar, e nos últimos dois anos outro mal me aflige com frequência - a paralisia do sono. É uma das sensações mais angustiantes. E quando não fico paralisada, sou acometida por terríveis pesadelos que me fazem acordar gritando e correndo, o coração tão acelerado que me faz tremer dos pés a cabeça. Às vezes tenho um pesadelo dentro de um pesadelo. Sabe? Quando um pesadelo é pior do que um filme de terror, e você acorda, aliviado, mas de repente o pesadelo continua, como se ele tivesse sido trazido para o mundo real com o seu despertar. Algumas noites eu fico nesse loop, acordando dentro de um pesadelo dentro de um pesadelo dentro de um pesadelo, até pensar que aquilo é real.
   Sonho com estupro, incesto, insetos gigantes me atacando... E mesmo assim, prefiro enfrentar qualquer um desses pesadelos a sonhar que alguém me ama. Quando sonho que alguém me ama acordo e começo a chorar desconsoladamente e essa sensação, de ser amada, vai se esvaindo aos pouquinhos e me consome em semanas de pura dor emocional.

   Não entendeu o que eu quis dizer? É como a música do Smiths. A noite passada eu sonhei que alguém me amou. Nenhuma esperança, nenhum dano, apenas um alarme falso . Mas há dano, sim. Por isso essa é a música mais fodidamente angustiante que existe no mundo.
   Geralmente é um homem. Geralmente não tem rosto. Ele me abraça, me beija, eu consigo sentir, praticamente tocar o amor mútuo. A noite passada era um homem em uma cadeira de rodas. Ele me olhava como se eu fosse a melhor pessoa do mundo, e minha insegurança ficava no caminho, mas eu o amava tanto também... Ainda amo, porque o efeito daquele sentimento não passou. É como se eu tivesse vivido aquele amor e por algum motivo fui separada daquela pessoa, que está em algum canto por aí, sofrendo também. No sonho estávamos fugindo, nos escondendo sempre. Havia sangue, havia confusão. Mas havia o maior dos carinhos, uma espécie de reciprocidade que ainda não vivenciei fora de sonhos.


....................................


   Eu não quero mais viver. 

   Há algum tempo eu não quero mais viver. Nos últimos meses me senti melhor, mas essa verdade sempre vai voltar para socar a minha cara: eu não presto. Eu não sirvo pra nada. Eu sou um peso morto no mundo. Eu poderia sumir agora mesmo e não faria diferença alguma para ninguém.