segunda-feira, 20 de julho de 2009

Pessoas, números. Conexão zero.

As pessoas estão muito desesperadas. Eu estou também...
Quando me vejo sozinha na internet altas horas da madrugada, é que percebo o quanto! Então entrar num BATE PAPO é lucro. Lá estou eu, eterna anti-sexo, conversando com pessoas que só querem isso. Se me excito? Nenhum pouco. Eu acho que palavras, neste contexto, são tão insignificantes quanto podem.
Creio que entro lá para bater papo, só isso. Mas me iludo pensando "quem sabe hoje não encontro um grande amor?". Em BP? Por favor...
Não sei se as pessoas se escondem atrás do sexo, ou se o sexo se esconde atrás delas. Não entendo alguém que se insinua para uma pessoa que não conhece, e que, até onde sei, pode ser um tarado, um sociopata, assassino, sei lá.
A apelação sexual é uma constante em nossa época, eu odeio isso.
Eu penso em como as pessoas são desconectadas. Há tanta gente no mundo. Nós passamos por muitas delas sem nem a olhar... Ou a olhamos, trocamos algumas palavras e formamos uma opinião que nem sempre condiz com a realidade. Como conhecer uma pessoa, quando não estamos abertos, quando não estamos afim?
Vejo por mim. 90 pessoas em meu orkut. Metade está ali de enfeite.
Penso "aqui não tem nem um décimo das pessoas que conheci em toda minha vida". Devo ter conhecido milhares de pessoas. Quer dizer, devo ter batido de frente com elas. Esbarrado.
Entre milhares, não posso dizer que conheci a fundo centenas. Não tenho dezenas como amigos.
Não estou realmente conectada com as pessoas. Algumas delas, sim. Pouquissimas.
Eu penso se um dia realmente estarei profundamente enraizada em/com alguém.
Entre 6000 bilhões de pessoa deve ter alguém esperando por mim!
Eu só não queria ficar me iludindo enquanto não a acho... Nesse momento eu estou me iludindo com alguém. Não sei, vamos ver no que dá.

quinta-feira, 16 de julho de 2009

It Doesn't Matter...


Não importa o que eu quero, não importa o que eu preciso. Não importa se eu choro, não importa se eu sangro.

Retiro o que disse. Eu tenho sangue em meu corpo. De resto, sou seca...
.
.
.



Eu estou de saco cheio...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...



...

..

...

....

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...
...
...
..
...
.
.
.
.
.
.
.
saco!

I am your mind giving you someone to talk



Ela não está respirando, eu não estou respirando, ela não está respirando, eu não estou respirando, ela não está, nem eu, nem ela, nem eu, ela, eu, eu, eu, eu, eu, eu. Ela. Ela não é ela. Sou eu. Eu não sou, nem ela está.
Ninguém para conversar. Ninguém se importa... nem eu.
Eu queria que algo me importasse. Ou que as coisas certas me importassem. Ou que alguém se importasse.
Eu queria estar dormindo agora, como todo mundo. Eu queria, queria, queria, queria. Eu nunca quero nada.
Eu nunca busco nada, nunca faço nada, nunca vejo nada, nunca ouço nada, nunca transo nada, nunca termino nada, nunca amo nada, nunca fui amada.
Amada. Ou odiada... no fim não é a mesma coisa? Se alguém me odiasse, se importaria, pois o contrário do ódio é o amor. O contrário da indiferença é que não existe. Ou é tão insignificante, que não me desperta interesse.
Eu poderia beber uma garrafa de vodca antes de vomitar. Antes de me sentir mal. Eu ficaria feliz, então riria, me sentiria tonta e relaxada, gozaria... brincaria. Então vomitaria. E choraria, me desesperaria, obviamente me cortaria. É tão ia que nada, absolutamente nada, vai.
Não tenho ninguém. Não tenho nem a mim.
É tudo desconexo, estranho, implausível. Nada é palpável, desejável. A não ser a ficção. A ficção que se caracteriza por coisas irreais, que só são possíveis nos livros e na TELEVISÃO.
Eu não choro, mesmo que queira. Sou um vaso vazio, um cão sem dono, uma alma estúpida e nada sagaz. Minhas promessas nunca são cumpridas, porque não as faço. Baseio tudo no talvez, um dia, quem sabe?
Não dou certezas, nem as recebo.
Em meu corpo não tem lágrimas, não tem sangue, não tem inspiração, paixão, alegria, não tem razão. É como dizem, uma vida sem amor não é vida.
E ele morreu. Não que eu o amasse, ele nada mais era do que ficção.
De alguma forma, eu me sinto abandonada, a diplomacia é uma furada e minha ânsia é desmotivada, pois, para ser abandonada antes eu precisaria ter alguém. Mas eu não tenho, nem nunca tive.
Meus amores são ilusões.
O que era lamento vira tragédia, então dá-se a melódia. Eu não ligo, nem ligaria caso nascesse mil vezes. O melhor seria não existir.

terça-feira, 14 de julho de 2009

"Não me prometa este amor sem fim"


Ouvindo a quietinha "Another Little Hole". Então surge a fétida "Brighter Than Sunshine", música badaladinha que badalou e banalizou minha banda querida. 
Não. Não, Brighter Than Sunshine nããããão, porque I don't know, I don't know, I don't know. "E" really don't care about nothing.
Não, não falo inglês. E sim, as coisas me importam. Eu bem queria não ligar. Mesmo assim, I DON'T KNOW. Nothing.
Então sai pra lá Brighter Than Sunshine! *muda a música*
Frio, insônia, chateação.
Foda-se eu.