segunda-feira, 20 de julho de 2009

Pessoas, números. Conexão zero.

As pessoas estão muito desesperadas. Eu estou também...
Quando me vejo sozinha na internet altas horas da madrugada, é que percebo o quanto! Então entrar num BATE PAPO é lucro. Lá estou eu, eterna anti-sexo, conversando com pessoas que só querem isso. Se me excito? Nenhum pouco. Eu acho que palavras, neste contexto, são tão insignificantes quanto podem.
Creio que entro lá para bater papo, só isso. Mas me iludo pensando "quem sabe hoje não encontro um grande amor?". Em BP? Por favor...
Não sei se as pessoas se escondem atrás do sexo, ou se o sexo se esconde atrás delas. Não entendo alguém que se insinua para uma pessoa que não conhece, e que, até onde sei, pode ser um tarado, um sociopata, assassino, sei lá.
A apelação sexual é uma constante em nossa época, eu odeio isso.
Eu penso em como as pessoas são desconectadas. Há tanta gente no mundo. Nós passamos por muitas delas sem nem a olhar... Ou as olhamos, trocamos algumas palavras e formamos uma opinião que nem sempre condiz com a realidade. Como conhecer uma pessoa, quando não estamos abertos, quando não estamos afim?
Vejo por mim. 90 pessoas em meu orkut. Metade está ali de enfeite.
Penso "aqui não tem nem um décimo das pessoas que conheci em toda minha vida". Devo ter conhecido milhares de pessoas. Quer dizer, devo ter batido de frente com elas. Esbarrado.
Entre milhares, não posso dizer que conheci a fundo centenas. Não tenho dezenas como amigos.
Não estou realmente conectada com as pessoas. 
Eu penso se um dia realmente estarei profundamente enraizada em/com alguém.
Entre 6000 bilhões de pessoa deve ter alguém esperando por mim!

quinta-feira, 16 de julho de 2009

It Doesn't Matter...


Não importa o que eu quero, não importa o que eu preciso. Não importa se eu choro, não importa se eu sangro.

Retiro o que disse. Eu tenho sangue em meu corpo. De resto, sou seca...
.
.
.



Eu estou de saco cheio...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...



...

..

...

....

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...

...
...
...
..
...
.
.
.
.
.
.
.
saco!

I am your mind giving you someone to talk



Ela não está respirando, eu não estou respirando, ela não está respirando, eu não estou respirando, ela não está, nem eu, nem ela, nem eu, ela, eu, eu, eu, eu, eu, eu. Ela. Ela não é ela. Sou eu. Eu não sou, nem ela está.
Ninguém para conversar. Ninguém se importa... nem eu.
Eu queria que algo me importasse. Ou que as coisas certas me importassem. Ou que alguém se importasse.
Eu queria estar dormindo agora, como todo mundo. Eu queria, ia, ia, ia. Eu nunca quero nada.
Eu nunca busco nada, nunca faço nada, nunca vejo nada, nunca ouço nada, nunca transo nada, nunca termino nada, nunca amo nada, nunca fui amada.
Amada. Ou odiada... no fim não é a mesma coisa? Se alguém me odiasse, se importaria, pois o contrário do ódio é o amor. O contrário da indiferença é que não existe. Ou é tão insignificante, que não me desperta interesse.
Eu poderia beber uma garrafa de vodca antes de vomitar. Antes de me sentir mal. Eu ficaria feliz, então riria, me sentiria tonta e relaxada, gozaria... brincaria. Então vomitaria. E choraria, me desesperaria, obviamente me cortaria. É tão ia que nada, absolutamente nada, vai.
Não tenho ninguém. Não tenho nem a mim.
É tudo desconexo, estranho, implausível. Nada é palpável, desejável. A não ser a ficção. A ficção que se caracteriza por coisas irreais, que só são possíveis nos livros e na TELEVISÃO.
Eu não choro, mesmo que queira. Sou um vaso vazio, um cão sem dono, uma alma estúpida e nada sagaz. Minhas promessas nunca são cumpridas, porque não as faço. Baseio tudo no talvez, um dia, quem sabe?
Não dou certezas, nem as recebo.
Em meu corpo não tem lágrimas, não tem sangue, não tem inspiração, paixão, alegria, não tem razão. É como dizem, uma vida sem amor não é vida.
E ele morreu. Não que eu o amasse, ele nada mais era do que ficção.
De alguma forma, eu me sinto abandonada, a diplomacia é uma furada e minha ânsia é desmotivada, pois, para ser abandonada antes eu precisaria ter alguém. Mas eu não tenho, nem nunca tive.
Meus amores são ilusões.
O que era lamento vira tragédia, então dá-se a melódia. Eu não ligo, nem ligaria caso nascesse mil vezes. O melhor seria não existir.

terça-feira, 14 de julho de 2009

"Não me prometa este amor sem fim"


Ouvindo a quietinha "Another Little Hole". Então surge a fétida "Brighter Than Sunshine", música badaladinha que badalou e banalizou minha banda querida. 
Não. Não, Brighter Than Sunshine nããããão, porque I don't know, I don't know, I don't know. "E" really don't care about nothing.
Não, não falo inglês. E sim, as coisas me importam. Eu bem queria não ligar. Mesmo assim, I DON'T KNOW. Nothing.
Então sai pra lá Brighter Than Sunshine! *muda a música*
Frio, insônia, chateação.
Foda-se eu.

sexta-feira, 19 de junho de 2009

"Embora quem quase morre esteja vivo, quem quase vive já morreu"

   Não sei. Se eu não tivesse ambições, planos, eu me entregaria ao álcool completamente. Não tem coisa melhor do que a sensação de estar bêbada (ao menos nas primeiras horas, pois eu fico deprê e choro depois de algum tempo). Se tudo der errado pra mim, não se surpreenda se me encontrar "toda remelenta, estrunchada, num bar, entregue à bebida".
   Acho que não tô muito bem não. É a maldita maçã com açúcar que eu tanto gosto. Ela me traz más lembranças. O desprezo contribui. Não, não estou nada bem. 
   Como as pessoas podem ser tão hipócritas? ¬¬ Por que eu precisei beber um monte e tomar 3 diazepans, pra poder falar o quanto eu a acho "cruel"? É um saco. As pessoas, a vida, os romances. Eu quero me apaixonar de novo :/ Assim como "só uma ressaca cura outra", "só um amor cura o outro". Mas vai ser difícil. O primeiro passo foi dado por meus irmãos: excluir as malditas fotos. O segundo passo terá que ser dado por mim. Rasgar as cartas? Deletar o orkut? Tomar drogas? Entrar em Brilho Eterno de uma Mente sem Lembranças e pedir uma indicação ao Joel e a Clementine, para marcar uma consulta com o "dr. esquecimento"?

Eu não acho que bater minha cabeça na parede me fará esquecê-la, mas é válido tentar.


Bah...


Meu problema com fotos é o seguinte: uma pessoa está aqui, depois não está. Se ela parte, depois como vou lembrar? Como vou saber que aquilo é real? Eu vou lembrar, mas não vou conseguir distinguir se é real ou invenção. Vou sofrer do mesmo jeito, mas vou me perder em mim, como me sinto agora em relação ao que já passou. Droga. Não tô legal.



"Tu llanto me tortura (...)
Pedazo de mi alma me arrebataste el corazón 
Como vivo si tú guardas mis latidos" 

(Baby Blues - Andrea Echeverri)

quinta-feira, 11 de junho de 2009

Sorte de hoje: A vida é como um livro: não importa que seja longa, contanto que seja boa





O Triste fim da Mariposa 


Pisotearam a pequena Mariposa,
vitima do tempo.
Peguei-a do chão, coloquei-a na mesa:
examinando-a pude ver suas asas feridas,
esmagadas e inválidas.
Sem poder voar,
seus olhos já não eram tão brilhantes
e sua alma já não era delirante.
Incentivei-a uma, duas, três vezes:
- Voe, pequena Mariposa!
- Você consegue, voe!
- Vamos, minha querida.
Em seu olhar gigantesco existia tristeza,
melancolia.Ela caia, eu a levantava.
Ela se encolhida,em seus gestos reinava a apatia.
O gemido mudos denunciar-lhe a dor.
- Lute, dona Mariposa!
- Você nasceu voando, sua liberdade é esta!
Dona Mariposa já não escutava
nem nada falava.
Suas asas não seriam amputadas,
então, as mortas, ela arrastava.
Em dor, pouco a pouco se perdia.
Veio então, a primeira heresia:
Pulou, eu a socorri.
Pulou de novo, eu a acudi.
Mais uma vez a loucura, barrada por mim.
Foi então que percebo que era certo de se fazer.
Quando pulou novamente
deixei a pequena Mariposa morrer.
Terá sido boa sua vida,
mesmo com tanta dor no final?
Não sei, não sei.
Provavelmente nunca saberei.
Descanse em paz, pequena Mariposa.
Aqui sempre terá alguém a te louvar.



Mosquito de Parede. 10/11 de junho de 2009.

quarta-feira, 10 de junho de 2009

"Eu quero te machucar só pra te ouvir gritar meu nome!"


Bah. O amor. Ah, o amor... O amor só me serve pra uma coisa: inspiração. Se amo, me inspiro, se sofro por amor, me inspiro. Sabe qual a realidade? Já perdi a conta de quantos "amores" e "desamores" tive até hoje. Todos inspirações, nada mais. O momento pode ser muito bom, mas passa... Eu já devia ter aprendido que amor e amizade são duas coisas que não dá pra misturar. Claro, é preciso ter afinidades para que surja não apenas o amor, mas o tesão, também. É natural você se interessar por alguém e depois rolar um caso e também a amizade. Mais do que natural, é o que manterá o "amor". Mas, se uma amizade é muito importante, deixa como está. É quase impossível continuar uma amizade, quando houve um "algo mais". Primeiro, porque uma das partes pode não ter "esquecido" o sentimento... O clima pode ficar muito chato, quando a outra pessoa começar um novo relacionamento.

Se bem que, se uma amizade é muito forte, dificilmente algo mudará isso. Eu estou em mutação, então não ligue se eu me contradisser demais.
E dai que o dia dos namorados está ai? E dai que eu nem tenho ninguém? E dai se meus planos - alguns sonhos, também - foram frustrados? E dai que eu eu estou beirando a loucura com o que sinto? Com o amor, mas com a raiva incontrolável, também. Quase ódio, confesso.
Sonhos se refazem. Outros "dia dos namorados" virão. Até lá, talvez eu tenha alguém. Alguém que não me traga apenas inspiração (porque minhas palavras um dia se perderão também!), mas que construa comigo momentos. Momentos que sejam mais significativos do que a desilusão.
A raiva não sei se passa, mas o "amor", sim. Ou não. Vai que dessa vez é diferente?
Pra começar, já é diferente, só por eu estar fazendo este post. Eu nunca fiquei me lamentando muito não, quando a questão é "romance"! Não deu certo? 
"OK, próximo!"
Mas não está sendo assim. Aqui fico eu, ouvindo mil vezes a mesma música e pensando em tudo o que foi dito (tudo, até o que doeu e ainda dói). Visitando o orkut dela, vendo fotos, lendo as cartas, os versos... Sai da minha cabeça, 
porra! u.ú

Sim, eu vou superar. Um dia, não agora.

Como uma coisa tão certa pôde acabar assim?

/ME bate na própria cara

Reage! u.ú


Tudo desmoronou. 
O amor não existe


E como eu já parafraseava em 2007:




28/11/07

O Amor é uma dor
É um tédio sem remédio
Que nem um prédio desabando
Assim eu sigo te amando
Sendo deixado de lado
Sem ser amado. (y)

sexta-feira, 29 de maio de 2009

"A senhora chorou quando ele morreu?"; "A Cíntia tem cada pergunta..."

Chorar ou não chorar? Eis a questão!

   Pra mim é natural que uma pessoa chore quando outra morre. A primeira pergunta que me vem em mente com as histórias daqueles mais velhos que eu, é: "você chorou quando tal pessoa morreu?"
   Às vezes eu tenho vontade de morrer só pra saber se alguém choraria por mim. Na minha cabeça, a pessoa mostra seu amor ao chorar no leito de outra. É um pensamento errôneo, pois o amor deve ser demonstrado em vida e não na morte! Que espécie de amor é esse, que só surge quando não pode mais ser vivido?
   Falo com conhecimento de causa, pois minha bisavó, em vida foi muito maltratada pelos filhos e quando morreu todos eles foram chorar as pitangas! Em vida ela gostava de balas, mas nenhum deles dava isso a ela. Em morte, em seu caixão, foram depositados pacotes e mais pacotes de balas. Pra quê? Era um prazer carnal, que provavelmente foi inutilizado com a morte daquela senhorinha a quem realmente amei.
   Não perdi muita gente. Quatro pessoas importantes, algumas que deixou-me impactada, mas pelas quais não derramei nenhuma lágrima. Apenas por Steve eu chorei. Steve, a quem nunca conheci "pessoalmente". Foi também a vez em que mais chorei. E foi a coisa mais estúpida do mundo, porque em vida não demonstrei meu carinho, mas quando ele morreu fiz mil homenagens e chorei mais do que pensei que alguém poderia chorar. Ainda acho a morte deveras complexa. Meu medo é esta complexabilidade. Mas viver também é complexo. Talvez ainda mais! Creio que morrer é isso, morreu, acabou, já era. Viver não. Não, sobreviver é pior. Levantar todo dia sentindo o peso do mundo nas costas. Fazer tudo de forma automática.
   Um dia você acorda meio realista e percebe quão fracassado é. Percebe que os sonhos foram apenas isso, sonhos... e que você se tornou alguém totalmente apático, muito diferente do que o esperado. Então, se não há nada o que fazer, talvez o melhor a ser feito seja buscar a morte. Ou não?
   Talvez não, porque, quando não se tem nada a perder, é indiferente viver ou não. E vai que um dia alguma coisa realmente boa acontece? Meu medo é morrer esperando. Então, a morte novamente. Tudo parece me remeter a ela. Mas, tudo bem. Por hoje sobreviverei, até chegar o dia em que sairei da sobrevivência e viverei de fato. Ou não.
   Bem, se for pra me amar, ame agora. Não espere por amanhã. Se for pra me amar, que seja um amor que traga-me coisas boas, porque de coisas ruins estou farta.
   E, sim, se eu digo que te amo, o ideal é que você corresponda. Mas se isso não for possível, então não diga absolutamente nada. Obrigada.

quarta-feira, 27 de maio de 2009


Eu estou realmente contente por mim! Por minhas evoluções como ser humano e por não ser mais a garotinha chata que eu era anos atrás. Mas, não atingi meu melhor.
Amar demais ainda é meu problema. Não, é o termo errado. Não existe "Amor demais". Há, sim, ilusão demais.
Mas, tudo bem, porque quando meu coração se parte as palavras surgem com mais facilidade. Inspiração.
Não serei mentirosa (assim como nunca o fui), estou sofrendo. Como um inferno! Mas, já estive no fim do abismo e desta vez não estou nem perto dele. Vou superar.
Só descobri o quanto odeio covardia. Sim, querida, você foi covarde... é imperdoável. Porque, dói muito saber que há AMOR, e que ELE está sendo desprezado. Sobretudo, a amizade está sendo desprezada aqui. A gente joga algumas coisas fora e percebe de forma retardatária que jogamos fora algo que era essencial. Algo que nos tornava uma pessoa melhor. Algo que fazia com que gostassemos de nós mesmos. E que nos respeitassemos. Se não há amor, acho que pelo menos o respeito TEM que existir.

"Eu olho. Não, pior, eu vejo!"