quinta-feira, 4 de maio de 2017

Apático

Para você eu dei tudo. 
Tudo que eu sabia ser, 
Tudo que eu aprendi a ser, 
Tudo que eu sempre quis ser 
E pensei que nunca seria. 
Entreguei meu corpo 
E minha mente nas suas mãos: 
E nós só transamos uma vez.
Agora eu fico com as 
Promessas vazias,
Velhos hábitos,
Novas marcas,
Inventivos métodos de auto-tortura 
... E um silêncio sem fim que 
Martela na minha cabeça;
Que faz descompassar o meu coração...
Eu fico com o gosto do cigarro na boca. 
Com o cheiro do vômito
Após uma bebedeira para 
Calar o meu corpo que inquieta 
Ao pensar em você. 
Fico com a mancha do sangue, 
Do meu sangue, que verte sem cessar 
Pela ferida aberta 
Porque você é o único. 
Fico com lembranças
— Que serão borradas pelo tempo.

Eu não fiz nada para merecer tanta apatia!

Nenhum comentário: